Quadrilha fraudava concursos em todo o Brasil, diz delegado da Operação Gabarito em coletiva

Nesta segunda-feira (15) a Policia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Defraudações e Falsificações da Capital, realizou coletiva de imprensa para apresentar seis novos presos da segunda fase da Operação Gabarito.

O delegado que comanda as investigações, Lucas Sá, apresentou novos detalhes e destacou as provas que foram fundamentais para a prisão dos integrantes da organização criminosa que, segundo ele, atuava em todo o Brasil.

Na coletiva o delegado revelou que a quadrinha fraudavam vagas destinadas a candidatos deficientes e inclusos nas cotas raciais. Quanto aos valores movimentados pela quadrilha a Polícia informou que durante a apreensão foi encontrada uma planilha com detalhes sobre a divisão dos lucros da organização. De acordo com Lucas Sá, os criminosos utilizavam uma Bíblia para realizar a contabilidade da organização.

Um dos líderes da organização, Erideiwid Henrique Ômega Ferreira da Silva, agente do Detran, foi preso em flagrante durante aplicação de uma prova, em concurso realizado em Pernambuco. Foragido, o acusado utilizava uma empresa de faixada para lavagem de dinheiro obtido pela quadrilha.

Sobre a prisão de Daiana Nascimento de Souza, irmã do agente de transito Diogo Nascimento que foi morto durante uma blitz da Lei Seca em janeiro, o delegado falou que não há nenhuma ligação entre os dois casos.

A polícia informou ainda que Marcos da Silva Pimentel, policial rodoviário federal envolvido no esquema criminoso, conseguiu fugir da Operação com o auxílio de um integrante da quadrinha, e encontra-se foragido desde a última sexta-feira.

 

Ouça os principais trechos da coletiva 

 

Repórter: Léo Ferreira
Edição: Juliny Barreto
Fotos: Léo Ferreira

Outras notícias