Fundação Casa de José Américo voltará a abrir nos finais de semana

Mudança começará ainda este sábado e a entrada é franca. Local foi onde José Américo viveu os últimos anos de sua vida

Fonte: Reprodução
Por Ângela Duarte há 6 meses

A Fundação Casa de José Américo retornará a abrir nos finais de semana para visitação a partir deste sábado (2).  O horário de visitação será das 8h30 às 16h30. A FCJA está situada na Avenida Cabo Branco, 3336.

 Quem visitar a Fundação Casa de José Américo encontrará um importante centro histórico, artístico-cultural e de lazer, em localização privilegiada, de onde se vê a Ponta do Seixas, o ponto mais oriental das Américas. A FCJA tem como missão “preservar, pesquisar e divulgar a vida e obra de José Américo de Almeida e a cultura paraibana, para o engrandecimento da sociedade”.


Museu Casa de José Américo 

Foi neste local onde José Américo viveu os últimos anos de sua vida. A casa foi transformada em museu, preservando sua originalidade, guardando as  características de quando ele nela residia. Abriga mobiliário original da época, obras de arte, objetos de uso pessoal, comendas, assim como a biblioteca e o arquivo fotográfico.

 Dentre os atrativos há uma escultura de corpo inteiro do escritor e político, vestindo o fardão e empunhando a espada da Academia Brasileira de Letras – ABL. No terraço, José Américo recebia amigos, intelectuais, jornalistas, populares e autoridades, e nele estão as mesmas cadeiras, samambaia e fotos de quando foi visitado por intelectuais, escritores, onde se destacam Jorge Amado e Câmara Cascudo.

 

Arquivos 

 Um dos destaques da Fundação Casa de José Américo são os Arquivos dos governadores e personalidades paraibanas, que abrigam rico acervo com milhares de documentos, entre manuscritos e impressos em geral, fotos e peças de áudio e vídeo, da vida política paraibana.

 

Mausoléu 

O monumento, que guarda os restos mortais de José Américo de Almeida e sua esposa, dona Alice, é ponto alto da visita. Foi revitalizado, respeitando a configuração original do projeto, de autoria do arquiteto indiano Bahram Khorramchachi. Instalado no pomar, segundo a ex-secretária particular, Maria de Lourdes Lemos, José Américo sempre manifestava o desejo de ser sepultado no local onde, segundo ele, teria vivido bons momentos de sua vida. O monumento mede 11 metros de comprimento por  7 metros de largura, com 55 centímetros de profundidade. Tem como destaque uma base triangular, onde está erguido um obelisco, com escultura em bronze da face do escritor José Américo. 


Com assessoria