Por que a Eduarda de ‘Por Amor’ era tão odiada, e não o Marcelo?

O filho de Branca tem muito mais motivos para ter rejeição do público

Globo/Reprodução
Por Ângela Duarte há 5 meses

Fonte: M de Mulher

Em outubro de 1997, quando estreou a novela ‘Por Amor‘ na Globo, não existiam as redes sociais e a internet apenas engatinhava, mas isso não impediu que a raiva do povo brasileiro pela Maria Eduarda (Gabriela Duarte) chegasse à rede mundial de computadores. Virou notícia e curiosidade o fato de que fizeram um site para falar o quanto a filha da Helena (Regina Duarte) era uma personagem desagradável, e esse ódio pela Eduarda se tornou algo internalizado no brasileiro. Porém, a atual reprise de ‘Por Amor’ em pleno ano de 2019 nos fez repensar um pouco esse sentimento pela personagem: seria ela tão odiável assim? E por que Marcelo (Fábio Assunção), seu grande crush, não recebe a mesma rejeição?

Antes de mais nada, não importando a época de exibição da novela, uma coisa não muda: Maria Eduarda é uma pessoa difícil de lidar. Sua primeira cena da trama é na cidade de Veneza, acompanhando sua mãe numa viagem. A bonita levantou durante a madrugada para poder telefonar ao Brasil e falar com seu marido e, mesmo repreendida por Helena, reforçou sua insegurança ao demonstrar a falta de informações sobre o amado.

Embora bonita, Maria Eduarda tem uma personalidade muito insegura e é bem influenciável. Chegou a abandonar a faculdade por influência de Marcelo. E todos esses traços de personalidade podem ser observados na forma como Maria Eduarda age com os demais personagens. Possivelmente por não ter tido uma figura paterna presente (seu pai é Orestes, vivido por Paulo José, e a moça sente vergonha dele), Maria Eduarda praticamente entregou sua vida nas mãos de Marcelo, e este viu nisso uma oportunidade para ser o pior tipo de homem possível: aquele que manipula as mulheres ao seu redor por puro divertimento e autoafirmação.

Marcelo é um rapaz jovem, bonito, sedutor e o personagem conquistou uma fatia muito considerável do público feminino da novela. Fábio Assunção chegou a estampar muitas revistas para adolescentes, viu o assédio crescer na rua e recebeu muitas cartas na Globo, provando a aceitação de seu personagem pelo público. Assim como Maria Eduarda é de certa forma mimada pela mãe (que entregou o próprio filho para que ela não sofresse ao ficar infértil), Marcelo é tratado como um rei por Branca (Susana Vieira). A vilã loira da trama acredita que Marcelo é filho de Atílio (Antonio Fagundes), então o trata como o dono e proprietário de seu coração, ao contrário dos outros filhos. Isso garantiu uma autoconfiança grande ao rapaz.

Não estamos falando que Marcelo não gosta de Maria Eduarda, mas o personagem muitas vezes tem “recaídas”. Logo no primeiro capítulo, ele foi acordado por sua ex-namorada, Laura (Viviane Pasmanter), com um beijo sabor-champanhe. Embora Marcelo tenha brigado com sua ex pela atitude dela, ele retribuiu o beijo. É essa a relação de Marcelo com Laura, ele a mantém sempre afastada, mas não muito. Para autoafirmar sua masculinidade, é interessante para ele manter a ex sempre por perto, cozinhando em banho-maria. A própria descrição do personagem de Marcelo no site Memória Globo o classifica como “machista”, então é inegável esse ser um traço de personalidade importante dele.

Tanto Maria Eduarda quanto Marcelo são personagens mimados pelas mães, com personalidades desagradáveis e com muitas inseguranças, mas somente um deles foi odiado pelo público. Marcelo podia não ser exaltado como um Nando (Eduardo Moscovis), esse sim querido pelo público, mas não era detestado como a Eduarda. Os personagens de certa forma influenciaram até a carreira de seus intérpretes: enquanto Gabriela Duarte levou cinco anos para aparecer em uma nova novela, Fábio Assunção reapareceu um ano após ‘Por Amor’ em um papel de ‘Força de um Destino‘.

Uma das brigas mais lembradas de ‘Por Amor’ por parte do público é aquela na qual Maria Eduarda esfrega uma revista na cara de Laura e arremessa a rival, que estava em uma cadeira de rodas, na piscina, mas todos ignoram que essa situação foi construída pelo próprio Marcelo, que nunca escondeu a intenção de incentivar essa rivalidade entre a esposa e a ex.

É importante enxergar uma novela como um reflexo do seu tempo. Em ‘Por Amor’, no meio de conflitos amorosos e diálogos triviais, estamos vendo a forma como a sociedade brasileira funcionava no final dos anos 90. Tendo a possibilidade de rever a novela vinte anos depois de sua exibição original, é uma chance única de comparar a nossa própria mentalidade e repensar comportamentos. Com tanta discussão atualmente sobre sororidade, empatia e empoderamento feminino, é muito rico rever uma novela de sucesso, feita duas décadas atrás, e perceber que nossas próprias opiniões estão diferentes.