Polícia investiga ameaças a estudante na PB após divulgação de mensagens preconceituosas

Estudante da UFCG registrou B.O na Polícia Civil após ser ameaçado por divulgar conversa com comentários racistas, homofóbicos e preconceituosos por parte de alunos do curso de Engenharia Mecânica da universidade. Instituição também investiga o caso

Foto: Reprodução/Whatsapp
Por Ângela Duarte há 7 meses

A Polícia Civil está investigando um caso de ameaça a um estudante da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), após comentários preconceituosos feitos em um grupo de Whatsapp formado por uma turma do curso de Engenharia Mecânica da instituição. As investigações começaram após esse estudante registrar um Boletim de Ocorrência na tarde da quinta-feira (14), por receber ameaças após divulgar capturas de telas de uma conversa do grupo.

As imagens, divulgadas ainda na quinta-feira, mostram comentários racistas, homofóbicos e preconceituosos por parte de alunos da turma. Na conversa, alguns dos estudantes debocham dos beneficiários do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), do Governo Federal. Palavras como “preto”, “amarelo” “bixa”, “pobre” e “socialista” são postadas por alguns dos estudantes durante a conversa.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Elizabeth Beckman, o que está sendo apurado deste caso é a ameaça sofrida pelo estudante após a divulgação das imagens. “O crime de injúria racial não está sendo diretamente apurado porque foram comentários infelizes, mas não direcionados ao estudante, ou a alguém especificamente. O que está sendo apurado é a ameaça sofrida por esse aluno após a divulgação dessa conversa”, explicou.

Ainda segundo a delegada, os alunos beneficiários do programa que se sentiram ofendidos com os comentários também podem entrar com ação. “Em relação aos comentários preconceituosos, o que pode ser feito é esses estudantes que fazem parte do programa também registrarem um boletim de ocorrência e, por meio de advogados, entrarem com ação por danos morais”, salientou.

As ameaças ao colega que teria feito a denúncia também foram feitas no grupo do Whatsapp da turma, após as imagens serem divulgadas. Um dos estudantes chegou a enviar uma foto de um dos assassinos do massacre da escola em Suzano (SP) morto, na manhã da quinta-feira (14). Abaixo da imagem, ele escreveu: “vede o destino dos que que traem seus concidadãos”.

Estudantes usam imagens do massacre em Suzano para ameçar colega que teria feito denúncia dos comentários  — Foto: Reprodução/Whatsapp

Denúncia feita na UFCG

As capturas de telas, feitas pelo estudante da turma, que está no grupo do Whatsapp e viu os comentários, também foram entregues junto com o Boletim de Ocorrência à coordenação do curso de Engenharia Mecânica da UFCG.

Conforme o coordenador de Graduação do curso, Fernando Almeida, em 50 anos de curso, essa é a primeira vez que acontece um caso desse tipo na instituição. “Já conversamos com esse estudante que fez a denúncia, mediante apresentação do Boletim de Ocorrência feito na Polícia Civil, então fizemos de imediato um processo junto à Reitoria com todo o relato”, disse.

O coordenador informou ainda que, na manhã desta terça-feira (19), todos os coordenadores do curso estavam reunidos para tratar sobre o caso e tomar as providências cabíveis. “O colegiado está reunido. Em seguida chamaremos todos os envolvidos para que possamos resolver essa situação o mais rápido possível”.

Alunos do Centro de Humanidades da universidade também usaram as redes sociais para divulgar as capturas de tela do grupo cedidas pelo estudante. Em nota divulgada junto com as imagens no Instagram, os Centros Acadêmicos de Filosofia e História da UFCG repudiam os comentários feitos pelos estudantes da turma de Engenharia Mecânica.

“Repudiamos essa postura racista e odiosa dos estudantes que fizeram os comentários e repudiamos a ameaça feita ao estudante que fez a denúncia”.

BO feito na Polícia Civil após ameaça

Após se sentir ameaçada, a pessoa do grupo que denunciou as conversas registrou o Boletim de Ocorrência na Central de Polícia Civil de Campina, na tarde da sexta-feira (15). O inquérito foi encaminhado para a 3ª Delegacia Distrital da cidade.

Ainda segundo a denúncia, após as imagens das conversas serem divulgadas nas redes sociais, alguns dos alunos do grupo do Whatsapp ficaram aguardando na Coordenação do Curso de Engenharia Mecânica para tentar descobrir quem era o colega que as divulgou.

Conforme a assessoria da UFCG, a universidade repudia os comentários feitos pelos estudantes no grupo do Whatsapp e o que foi exposto, e as providências estão sendo tomadas para que tudo seja encaminhado e apurado administrativamente.

Fonte: G1