Ponto de Cem Réis recebe Feira de Serviços LGBTQI+

Evento marca o dia internacional da luta contra a LGBTfobia

Foto: Reprodução / TV Paraíba
Por Ângela Duarte há 6 meses

Nesta quinta-feira (17), a partir das 8h, no Ponto de Cem Réis, no Centro de João Pessoa, serão instaladas tendas com serviços voltados à comunidade LGBTQI+. O local contará com atividades do Espaço LGBT, ambulatório estadual de saúde integral para travestis e transexuais e da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes LGBTfóbicos, Étnico-Raciais e de Delitos de Intolerância Religiosa. O evento marca o dia internacional da luta contra a LGBTfobia.


Espaço LGBT 

Funcionando desde 2011, o Espaço LGBT realizou 21.400 atendimentos, até dezembro de 2018, a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, mulheres transexuais e homens trans, queers, intersex e outras identidades relacionadas à diversidade sexual, vítimas de discriminação, violência e/ou omissão, preconceito e intolerância por sua orientação sexual e identidade de gênero. O ambulatório recebe mulheres e homens transexuais, além de travestis, que estão no processo de transição, com atendimento especializado de serviços na área de psicologia, psiquiatria, ginecologia, urologia e outros.

“A Paraíba vem alcançando destaque na implantação de políticas públicas que envolvem, além dos serviços gratuitos, a implementação de legislações específicas que buscam combater a LGBTfobia, como a Lei 7.309/2003, atualizada pela Lei 10.909, de 2017, que proíbe a discriminação e preconceito em virtude de orientação sexual e identidade de gênero no Estado. Também foi implementada a Lei dos Cartazes, que obriga estabelecimentos públicos e privados a afixação de cartazes informando sobre a discriminação e multa”, afirma Gilberta Soares, secretária de Estado da Mulher e da Diversidade Humana.

A sigla LGBTQI+ refere-se a pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersex, queers e outras variações de gênero. A ONU e a Anistia Internacional elegeram esta denominação para falar da diversidade que faz parte desta população.

As violências contra a população LGBTQI+ vão desde a exclusão social, intimidação psicológica até a agressão física, tortura, estupros de correção, sequestros e assassinatos seletivos. Acontece nas ruas, parques, escolas, locais de trabalho, casas, internet e pode ser espontânea ou organizada, perpetrada por indivíduos ou grupos extremistas.

Com Assessoria