Colunas Brasil cria 34,3 mil empregos formais em janeiro, 56% a menos que em 2018

Em janeiro do ano passado, foram 77.822 vagas com carteira assinada; mesmo assim, resultado é o segundo melhor para o mês em seis anos

Foto: Shutterstock
Por Ângela Duarte há 8 meses

O Brasil criou mais de 34 mil empregos com carteira assinada em janeiro deste ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (28) pelo Ministério da Economia.

Para fazer a conta da geração de empregos , o Caged leva em consideração todas as contratações (1.325.183) e demissões (1.290.870) realizadas durante o mês. Em janeiro de 2019, portanto, o saldo positivo foi de 34.313 novas vagas. 
Na comparação com o mesmo período do ano passado, quando aconteceram 77.822 novas contratações, janeiro de 2019 registrou uma queda de 56% na geração de vagas formais . 

Apesar da diminuição, esse foi o segundo melhor resultado para o mês desde 2013, quando foram criadas 28,9 mil vagas. Em 2 015, 2016 e 2017, as demissões aconteceram em maior número do que as contratações no primeiro mês do ano.

O Ministério da Economia também informou o valor médio dos salários de contratação, que foi de R$ 1.618,96 no mês. Em relação a janeiro de 2018, o aumento foi de R$ 33,27 no valor recebido logo após a admissão.

Serviços impulsionaram a geração de empregos formais

Entre os oito setores da economia estudados pelo Caged, cinco abriram vagas de trabalho com carteira assinada em janeiro. Na conta, que leva em consideração também o número de contratações menos o de demissões, o setor de serviços foi o que mais conquistou novos funcionários. Confira:

Serviços: +43.449 vagas;
Indústria de transformação: +34.929 vagas;
Construção civil: +14.275 vagas;
Agropecuária: +8.328 vagas;
Extração mineral: +84 vagas;
Comércio: -65.978 vagas;
Administração pública: -686 vagas;
Serviços industriais de utilidade pública: -88 vagas.
Dentro do setor de serviços, a criação de emprego s ficou principalmente por conta dos serviços de comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico (23.318 novas vagas); serviços médicos, odontológicos e veterinários (15.163 postos criados) e ensino (5.152 empregos formais).

Já na divisão por regiões do País, três das cinco regiões brasileiras criaram novos empregos em janeiro deste ano: Sul, Centro-Oeste e Sudeste, respectivamente. No Nordeste e no Norte, entretanto, houve um número maior de demissões do que de admissões. Veja:

  • Sul: + 41.733 vagas;
  • Centro-Oeste: + 22.802 vagas;
  • Sudeste: + 6.485 vagas;
  • Nordeste: - 30.279 vagas;
  • Norte: - 6.428 vagas.

Fonte: iG Economia