Atenção: Maranhão e Azevedo lideram buscas no Google; Lucélio vem em seguida

Volume de buscas no gigante digital é um termômetro do alcance e da visibilidade de um candidato.

Por Ytalo Kubitschek há 4 meses

Quando você quer informações sobre algum tema, você faz uma busca na internet, correto? Shows, biografias, notícias. Tudo está no Google. 

O mesmo ocorre com a política. 

Quando a curiosidade do eleitor é aguçada por uma matéria, propaganda ou evento, é natural que ocorra um aumento no volume de buscas no Google por um político ou candidato.

Quanto maior a visibilidade, maior o potencial eleitoral. E maior o volume de buscas online sobre o político. 

Mas como medir esse interesse da população pelo candidato? 

O analista de sistemas, Jonathan Veras, da empresa de softwares BRZ, explica que 97% das buscas brasileiras são feitas através do Google. O gigante digital disponibiliza uma ferramenta para identificar temas populares na rede, o Google Trends.

Na Paraíba, o postulante ao governo que lidera o número de buscas é o senador José Maranhão (MDB). 

Na vice-liderança aparece o engenheiro João Azevedo (PSB)

O dado mais surpreendente é que nos últimos 90 dias os demais candidatos em potencial, incluindo o farmacêutico Lucélio Cartaxo (PV) e a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), não geraram interesse dos usuários. As buscas têm sido irrisórias. 

Como mostra o gráfico abaixo: 

Conforme explica Jonathan Veras, o volume de buscas sempre está relacionado com os candidatos vitoriosos. Alguns exemplos como o das eleições nos Estados Unidos entre Donald Trump (REP) e Hillary Clinton (DEM) em 2016 comprovam a eficiência do aferidor. 

Outros exemplos clássicos da eficiência do Google serão apresentados a seguir.

Barack Obama (DEM) e John Mccain (REP) em 2008:

Dilma Rousseff (PT) contra Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (Rede) em 2014:

As eleições municipais de 2016 foram o maior teste de uma ideia que cresceu junto com o vasto banco de dados do Google sobre as pesquisas de seus usuários: o gigante das buscas pode prever o resultado das eleições com mais precisão do que as pesquisas. 

A noção repousa na ideia de que: o que buscam os eleitores é um indicador mais claro de suas intenções do que o que eles podem dizer aos pesquisadores quando forem perguntados.

É importante salientar que o Google não fornece o volume absoluto de pesquisas, mas uma estimativa que varia em uma escala de 0 a 100.

Comparação entre políticos

Outra excelente funcionalidade é a comparação de volume de buscas por um político. Assim é possível comparar o desempenho do candidato com os seus adversários. 

Na imagem abaixo, inserimos no Trends o nome de três presidenciáveis do campo considerado como "direita". Geraldo Alckmin (PSDB), João Dória (PSDB) e Jair Bolsonaro disputam a mesma fatia do eleitorado. Podemos observar como as buscas por Bolsonaro são mais frequentes do que seus pares. Esse resultado é condizente com as últimas pesquisas que colocam o ex-militar à frente dos dois postulantes do PSDB. Como aponta o gráfico abaixo:


Ytalo Kubitschek