Foi dada a largada para sucessão de RC - Ytalo Kubitschek

Exposição dos candidatos nos debates e na propaganda eleitoral dará o tom da disputa.

Por Ytalo Kubitschek há 2 meses

Com as três principais candidaturas majoritárias registradas para às eleições deste ano, a disputa promete ser acirrada diante do peso das máquinas envolvidas.

Na Paraíba, historicamente, a força dos governos costuma se impor gradualmente ao longo da disputa.

Como em uma maratona olímpica, não é inteligente gastar muito fôlego no primeiro tiro de 100 metros.

João Azevedo (PSB) contará com a estrutura do governo Ricardo Coutinho (PSB), grande aporte financeiro e maior tempo na propaganda eleitoral. Candidato que surgiu sob o signo de proporcionar um terceiro mandato ao atual governador.

A decisão de Ricardo em abrir mão da sua eleição ao Senado para permanecer no Palácio da Redenção seguramente lhe ajudou a garantir palanques para João em todos os municípios da Paraíba.

Lançada candidata a vice-governadora, Lígia Feliciano (PDT) ensaiou com dificuldades na pré-campanha uma anêmica pré-candidatura sob a justificativa de garantir um palanque para o presidenciável Ciro Gomes (PDT) na Paraíba, mas no apagar de luzes preferiu voltar para a mesma Granja Santana que a abrigou em 2014. No final das contas, ficou a mensagem de que Lígia serve para ser candidata, mas não serve para governar o Estado.

João Azevedo também se beneficia do sentimento de reação à prisão de Lula, reforçado com a presença do petista Luiz Couto em sua chapa, que lembra o ex-presidente até pelo rosto. A influência do outro companheiro de chapa, Veneziano Vital do Rêgo (PSB) em Campina Grande, pode contribuir decisivamente para melhorar o desempenho do PSB na Borborema. 

Já Lucélio Cartaxo (PV) conta com apoio da Prefeitura de João Pessoa, governada pelo irmão, da Prefeitura de Campina Grande, governada pelo marido da sua vice, Micheline Rodrigues (PSDB), além das máquinas tucanas de Santa Rita, Patos e Guarabira.

Some-se a isso, o apoio substancial do Progressistas que lançou a deputada Daniella Ribeiro como candidata ao Senado na sua chapa e do próprio senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que desde 2014 tem palanques em todas as cidades da Paraíba.

A imagem de Lucélio como principal oposicionista, no entanto, não bastará para que cresça. Quando essa imagem ganhar concorrentes dispostos a também criticar o atual governo, Lucélio Cartaxo passará a enfrentar o amargo contra-discurso do candidato da situação, deixando de acumular um bônus para arcar com um ônus. Será a hora de procurar outros diferenciais na conquista do eleitor indeciso. 

Eis o grande desafio de Lucélio, tentar convencer os paraibanos que possui alguma experiência e pode ser um bom gestor.

Foi visível a contenda pré-eleitoral particular estabelecida entre João Azevedo (PSB) e Lucélio Cartaxo (PV).

Se por um lado, a polarização auxilia na visibilidade de suas imagens, pois são novatos em disputas para o Governo do Estado, também constitui um fator de enorme risco, pois herdam ressentimentos da eleição de 2014, disputada entre os patronos: Ricardo e Cássio.

As circunstâncias podem levá-los a travar um duro combate ainda no primeiro turno, que pode fustigar eleitores a se aproximarem de um conciliador José Maranhão, que se apresentará com perfil moderado.

Enquanto isso, o senador José Maranhão (MDB) com uma máquina menos azeitada que as demais, assiste de camarote a sanguinária radicalização entre João e Lucélio, apostando no apoio lógico do candidato que não avançar para o segundo turno.

O desafio do emedebista consistirá, basicamente, na tentativa de administrar, em 45 dias, o "recall" privilegiado que possui em relação aos dois concorrentes, por ser o candidato mais conhecido e ter sido governador três vezes, contando com o apoio de Wellington Roberto (PR), além do seu fiel escudeiro e continuador no governo, Roberto Paulino (MDB).

Para Zé Maranhão, quanto mais rápida for à campanha, melhor.

A batalha eleitoral promete ser acirrada e um razoável tempo de exposição dos candidatos na propaganda eleitoral gratuita dará o tom da disputa ao eleitor paraibano.

Foi dada a largada para sucessão de Ricardo Coutinho. 

O seriado ficará muito mais animado a partir de agora.

Ytalo Kubitschek