Fotógrafo da Família Real conta momentos mais curiosos da profissão

Em entrevista, o fotógrafo Tim Rooke contou detalhes e momentos curiosos da sua profissão

Foto: Tim Rooke / Shutterstock
Por Ângela Duarte há 6 meses

Fonte: Claudia

A Família Real britânica é certamente a mais fotografada do mundo. Impossibilitados de dar um passo sem serem clicados, os membros da realeza já estão acostumados com os flashes desde pequeninhos.

Mas você já imaginou como é a rotina de quem está por trás das lentes? Ser fotografo oficial de Elizabeth II, Harry, William, Kate Middleton e Meghan Markle é certamente um cargo daqueles que enche a gente de curiosidades.

Para sanar nossas dúvidas e contar as histórias mais curiosas de sua carreira, conversamos com Tim Rooke, fotografo do banco de imagens que acompanha a família real britânica pelo mundo.

No currículo dele estão momentos como a cobertura do casamento do Príncipe Harry com Meghan Markle, a cerimônia do Príncipe Charles e Camila Parker Bowles, além da celebração do noivado e o casamento do Príncipe William com Kate Middleton. Ele também é o responsável por fotografar as casas reais de outros países europeus como Noruega, Dinamarca, Suécia e Holanda.

Ele nos contou tudo sobre os protocolos, momentos divertidos e sobre como é acompanhar a família real por aí. Confira a entrevista:

Você já passou por alguma situação engraçada durante seu trabalho?

Tim Rooke: Tive o privilégio de fotografar vários casamentos reais e ocasiões importantes nas últimas duas décadas, e cada um deles é bastante especial. Eu tenho algumas lembranças inesquecíveis ao longo dos anos. Por exemplo, nós estávamos em um passeio a pé na Nova Zelândia quando um bebê estava gritando, então Harry decidiu gritar para o bebê. Foi tão engraçado e fiquei muito feliz por ter capturado o momento diante da câmera.

Qual o protocolo real para os fotógrafos? Há regras inusitadas?

Não existe protocolos reais surpreendentes. Em geral, só esperam que eu faça coisas básicas como me vestir razoavelmente bem e não gritar. Realmente só ser educado, como você seria com qualquer outro chefe de Estado ou líder.

Existe um padrão para fotografar os membros da realeza?

É mutuamente benéfico capturar uma boa foto. Eu sou completamente respeitoso com a Família Real e nunca gostaria de compartilhar qualquer coisa que não os represente de forma justa. Dito isso, a maioria dos eventos que participo são bem estruturados por natureza, nós (fotógrafos) costumamos ter um lugar para ficar de pé e clicamos nossas respectivas fotos enquanto a realeza passa.

Existe algum membro real que exige alguma edição específica para as fotos?

Na verdade não. Não existe nenhum protocolo ou exigência. Jamais divulgaria algo que não os representasse.

E como é fotografar os bebês reais? Qual o protocolo a ser seguido desde o nascimento?

Eu só tive essa oportunidade quando estive em viagens ao exterior com a família. Eu nunca estive em uma situação em que estivesse sozinho fotografando as crianças. Quando estávamos em turnê na Austrália, fomos a uma festa de aniversário infantil com Charlotte e George. Como em um sistema de votação, eles obviamente selecionam alguns fotógrafos para ter menos pessoas ao redor das crianças, mas uma das razões para as quais eles fazem isso é que, na maioria das vezes, só tem um espaço pequeno para que não acomodem muitos fotógrafos no mesmo espaço.

A última vez que fotografei George e Charlotte foi no casamento da Princesa Eugenie em outubro de 2018. Antes disso, houve um evento de polo em junho. Anos atrás, o Príncipe de Gales costumava jogar polo todas as semanas no verão. Agora existem apenas três eventos por ano em que você é “tolerado” a participar. Sempre houve uma linha estreita do que é público e do que é privado. Em junho do ano passado, no polo, eu estava em posição oficial, entretanto, muitas das melhores fotos foram tiradas de uma posição não oficial – as pessoas tinham que tirá-las pelo muro.

Como você é escalado para um evento?

Como fotógrafo oficial da realeza, recebo detalhes sobre eventos e sou convidado com base no número de vagas disponíveis para um determinado acontecimento. Os lugares são limitados e às vezes os nomes podem ser sorteados em um chapéu! Então muitas vezes tudo se resume a sorte.

Os membros da realeza sempre precisam ser solicitados com antecedência para serem fotografados. As chances podem ser bastante limitadas para tirar uma foto – e você precisa focar. Como fotógrafos, temos melhor acesso à realeza quando eles vão para o exterior. Eles também parecem mais relaxados.

Como conseguiu chegar ao posto em que está hoje?

Depois de me formar na Universidade Nottingham Trent em 1987 com bacharelado em fotografia, mudei para a Austrália de 1988 a 1990 para começar minha carreira na Sydney Freelance Agency, eu era freelancer de eventos eletrônicos e fotografei eventos como o Grande Prêmio da Austrália.

Em 1988, foi o Bicentenário da Austrália, com muita realeza e visita de chefes de estado. Foi lá que tive a sorte de conhecer fotógrafos britânicos enquanto fotografava o príncipe Charles e a princesa Diana enquanto eles visitavam o país. Eu vi todos os fotógrafos cobrindo a realeza e como eles foram puderam viajar por todo o mundo com a família. Eu pensei, essas são as duas coisas que eu amo, viajar e fotografar, então voltei para o Reino Unido em 1990 para me tornar um fotógrafo real e mais de duas décadas depois, eu ainda estou fazendo isso!

Qual o momento favorito na sua carreira?

É muito difícil escolher um momento favorito, mas eu realmente gosto de viajar com a realeza para novos locais ao redor do mundo e explorar maneiras de fotografá-los em diferentes ambientes. Por exemplo, Sophie, condessa de Wessex, faz um monte de trabalhos filantrópicos para aumentar a conscientização sobre a cegueira evitável. Certa vez, viajei com ela para Bangladesh e fomos à comunidade para educar as pessoas. Eu tirei uma foto realmente adorável dela entre os aldeões.

Outra coisa que eu adoro é que, em viagens como essa, é que não estou competindo com outros fotógrafos pela mesma foto. Eu estava sozinho com a condessa e capaz de construir uma boa convivência.

Além disso, a condessa de Wessex sempre olha para nós. Ela estava no time de relações públicas antes de se casar com o príncipe Edward, então, obviamente, ela entende o valor de uma foto.

A duquesa da Cornualha (Camila) me chama de Tim e fala comigo. Ela é ótima. Muitas pessoas a comparam com a Diana e a desprezam, mas ela é adorável e tem muito tempo para nós como fotógrafos. Ela sempre olha em volta para ver onde estamos e para uma foto.