Após morte de GD, cantores e empresários repensam logística de shows

As famosas “dobras”, como são chamadas as apresentações sequenciais em várias cidades numa mesma noite (às vezes, eles fazem até três shows) podem estar com os dias contados

Foto: Reprodução
Por Ângela Duarte há 5 meses

Fonte: ClickPB

A morte prematura de Gabriel Diniz num acidente de avião já tem um efeito. Cantores e empresários estão repensando a logística de shows no mês. As famosas “dobras”, como são chamadas as apresentações sequenciais em várias cidades numa mesma noite (às vezes, eles fazem até três shows) podem estar com os dias contados.

“Passado o choque com a morte do Gabriel, estamos todos aguardando que os artistas e empresários mudem sua forma de fazer as agendas. Muitas vezes é o artista que quer fazer dois shows numa noite ou voltar para casa mais cedo e acaba pegando o primeiro voo que tem”, conta um contratante do Nordeste.

Zé Neto e Cristiano, Marília Mendonça e Henrique e Juliano, expoentes dessa nova safra do sertanejo/sofrência, já tinham colocado o pé no freio antes. Marília já não faz as tais dobras há meses. Henrique e Juliano decidiram suspender os shows aos domingos e agora só trabalham de quinta a sábado. Também pediram férias em julho. Já Zé Neto e Cristiano não querem mais fazer apresentações em vários lugares.

Dos cantores mais solicitados para apresentações, principalmente agora, época das festas juninas que bombam no Nordeste, muitas vezes no mesmo dia, apenas Gusttavo Lima não alterou a rotina e continua, com seu próprio jatinho, se deslocando entre locais vizinhos para se apresentar em sequência.