Caixas eletrônicos podem ficar sem dinheiro ainda hoje devido a paralisação de vigilantes de carro-forte

O presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Segurança de Transportadoras de Valores afirmou que a paralisação atinge 90% da categoria em todo o estado

Foto: Walla Santos
Por Ângela Duarte há 4 meses

Fonte: ClickPB

A paralisação do trabalho dos vigilantes de carros-fortes pode começar a afetar o abastecimento dos caixas eletrônicos no estado da Paraíba ainda no fim da tarde desta segunda-feira (29), de acordo com estimativa do presidente do sindicato da categoria, Laudivan Gonçalves. Em entrevista ao ClickPB, Laudivan detalhou que os estabelecimentos bancários certamente foram abastecidos no fim de semana, "mas, com a demanda, a probabilidade é que ainda hoje no fim da tarde os caixas ficarem sem numerário, sem dinheiro".

O presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Segurança de Transportadoras de Valores afirmou que a paralisação atinge 90% da categoria em todo o estado. São cerca de 400 homens que atuam nas cidades de João Pessoa, Patos e Campina Grande prestando serviço de vigilância no transporte de valores.

O transporte de valores por meio de carros-fortes atende desde bancos, caixas eletrônicos, lotéricas, supermercados, lojas a posto de gasolina. Com a continuidade da paralisação, a estimativa é de que todos sejam afetados. "Nós somos a categoria que carrega a economia do estado", apontou Laudivan Gonçalves.

O movimento grevista com a paralisação por tempo indeterminado acontece como forma de protesto da categoria, que reivindica reajuste de 5% no seu salário e aumento no vale-alimentação.

A data-base da categoria é no mês de março e desde fevereiro eles tentam negociar com o sindicato patronal um reajuste equivalente a 5%, o mesmo que foi dado para os vigilantes patrimoniais. "Os trabalhadores estão reivindicando um reajuste para pelo menos equiparar ao da vigilância", afirmou o presidente do sindicato. Ele destacou ainda que o risco de vida dos vigilantes de carro-forte é bem maior do que o dos outros vigilantes.