Oposição venezuelana denuncia repressão a indígenas e uma morte perto da fronteira com o Brasil

Grupo tentava impedir passagem de blindados militares e foi reprimido, segundo relatos.

Foto: Ricardo Moraes - Reuters
Por Ângela Duarte há 6 meses

 Um grupo de 22 deputados de partidos opositores da Venezuela que está na cidade de Santa Elena, a 15 quilômetros da fronteira com o Brasil, denunciou nesta sexta-feira "uma brutal repressão militar a comunidades indígenas que estão colaborando para conseguir a abertura do canal humanitário". Segundo disse ao GLOBO a deputada Olivia Lozano, 12 indígenas foram feridos e uma mulher identificada como Zoraida Rodriguez morreu em um violento incidente perto de Santa Elena. O jornal El Nacional informa que há um segundo morto.

Os feridos  foram levados em uma ambulância para a cidade de Paracaima, um dos únicos veículos que conseguiu atravessar a fronteira na manhã desta sexta-feira, e de lá estariam sendo transferidos  para Boa Vista.

 — Estamos denunciado o governo Maduro por este ataque. Os indígenas estavam tentando impedir a passagem de blindados militares e foram brutalmente reprimidos  — assegurou a deputada da Assembleia Nacional (AN) presidida por Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino.

Juan Guaidó, auto-proclamado presidente interino da Venezuela com apoio do Parlamento, denunciou  a repressão no Twitter. "Nossa solidariedade com eles. Não ficará impune". 

Os indígenas envolvidos no choque com militares, informaram os deputados, pertencem à comunidade de San Francisco Kumaracapay. Os confrontos  foram registrados na comunidade localizada em San Francisco de Yuruaní, no município de Gran Sabana (Bolívar), uma das últimas cidades antes de chegar à fronteira.

 — Estamos reunidos com autoridades políticas da região, prefeitos e chefes de comunidades indígenas. Estão todos decididos a lutar para que a ajuda humanitária que está no Brasil entre em nosso território  — afirmou Olivia.

O vereador indígena do município da Grande Sabana, na Venezuela, Jorge Pérez, confirmou a morte de Zoraida ao jornal local "El Correo del Caroní".

Os feridos foram primeiramente atendidos no hospital de Santa Elena, mas tiveram que ser transferidos por falta de insumos médicos. Nas  redes sociais, principalmente WhatsApp, circulam fotos e vídeos sobre o violento incidente. De acordo com a deputada opositora, na madrugada deste sábado congressistas, indígenas e autoridades locais irão até a fronteira para pressionar as forças militares e tentar conseguir o ingresso a da ajuda ao país.

Fronteira permanece fechada

Os responsáveis pelo ataque a indígenas, segundo dirigentes da oposição, são agentes da Guarda Nacional Bolivariana e da Força Armada Nacional Bolivariana. Com a ordem de bloqueio por tempo indeterminado, a fronteira da Venezuela com o Brasil não foi reaberta na manhã desta sexta-feira, como acontece diariamente por volta das 7h, informou o G1. O fechamento  ocorre  na cidade brasileira de Paracaima, onde seria um dos pontos de coleta dos carregamentos de comida, remédio e itens de higiene básica enviados à população venezuelana, e foi ordenado na noite de quinta-feira pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Durante a manhã desta sexta-feira, venezuelanos não puderam atravessar a fronteira a pé e nem de carro. No entanto, segundo o G1, grupos conseguiram passar usando uma rota alternativa, as chamadas trincheiras. São pelo menos duas alternativas para quem quer entrar no Brasil, uma delas muito próxima ao posto oficial de controle dos dois países.


Fonte: O Globo