Justiça proíbe envolvidos na 'Operação Xeque-Mate' de se envolverem em novas licitações

Envolvidos são rés da quarta denúncia, efetuada em março pelo Gaeco, por atos ilícitos na 'operação tapa-buraco', em Cabedelo

Foto: Reprodução
Por Ângela Duarte há 5 meses

4a denúncia da Xeque-Mate': Justiça proíbe servidores de manusear licitações e empresa de contratar com poder público


Foi deferido, nesta quarta-feira (3), pela 1ª Vara de Cabedelo, o pedido do Ministério Público da Paraíba, e foi determinado, para dez pessoas envolvidas na 'Operação Xeque-Mate', o afastamento cautelar e suspensão de exercício de funções públicas relacionadas à licitações. Essas pessoas são rés da quarta denúncia, efetuada no mês passado (março), pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco/MPPB), devido à prática ilícitas durante processo de licitação e  contratação de empresa para fazer serviços da 'operação tapa-buraco', em Cabedelo. 

    O juiz Henrique Jorge Jácome de Figueiredo também proibiu os empresários Emílio Augusto Alquete de Paula e Daniel Solidônio de Sousa, bem como a empresa “Vale do Aço Comércio e Representação e Serviços de Derivados do Aço e Máquinas Agrícolas”, de participar direta ou indiretamente de qualquer licitação e de contratar com o poder público de Cabedelo.