Começa a Cúpula do G20 para discutir economia do mundo

Líderes das maiores economias mundiais se reúnem até amanhã

Por Iracema Almeida há 11 meses

A Cúpula dos Líderes do G20 ( que reúne as maiores economias mundiais) começa  hoje (30) em Buenos Aires, na Argentina, e termina no sábado (1º). As discussões se concentram em guerra comerciais, preocupações com o crescimento da economia mundial, o multilateralismo, as novas relações de trabalho e as mudanças climáticas.

Vários dos principais líderes mundiais já estão em Buenos Aires, entre eles os presidentes Michel Temer, Donald Trump (Estados Unidos) e Emmanuel Macron (França), além de Xi Jinping (China) e do príncipe saudita Mohammad bin Salman, entre outros.

Mais de 25 mil agentes policiais foram deslocados para a segurança da cúpula. A cidade de Buenos Aires foi praticamente blindada, o transporte público, as rotas e vias alteradas durante praticamente a semana toda. A previsão é que 15 mil pessoas participem da cúpula, considerando que 3 mil são jornalistas.

A cúpula celebra uma década. A primeira foi em 2008 em meio às discussões sobre a crise financeira que começou no mercado imobiliário norte-americano.

Principais nomes:

Mauricio Macri – O presidente argentino será o anfitrião da primeira cúpula realizada na América do Sul por ocupar a presidência rotativa do G20, algo que Macri considera uma demonstração de confiança do mundo em seu país, em meio a uma delicada situação econômica interna.

Michel Temer – O presidente brasileiro, que chegou à capital argentina na noite desta quinta-feira (29), disse, em entrevista à TV NBR, que destacará, no encontro, a modernização nas leis trabalhistas feita em seu governo – aproveitando que um dos temas dessa edição é o futuro do trabalho. "Falarei exatamente sobre isso porque a experiência brasileira foi muito exitosa. Só este ano já chegamos a 800 mil carteiras assinadas e ultrapassamos 1,5 milhão de postos de trabalho." 

Donald Trump – Como já ocorreu na estreia de Trump no G20, no ano passado, na Alemanha, o papel do presidente americano será crucial novamente. Em Hamburgo, Trump não assinou um acordo favorável a medidas contra as mudanças climáticas, mas deu o braço a torcer para assinar um compromisso a favor do livre-comércio, temas que continuarão sobre a mesa em Buenos Aires. 

  Vladimir Putin – Sempre com diversas frentes abertas no âmbito internacional, o presidente russo chega ao G20 em meio à crise gerada pelo uso da força contra a Marinha da Ucrânia, país vizinho. O assunto fez com que Trump anunciasse o cancelamento da reunião que teria com Putin neste fim de semana. 

Xi Jinping – Presidente da China desde março de 2013, Xi Jinping terá um dos encontros mais aguardados da ocasião, com Donald Trump. A reunião é importante para o desenvolvimento da própria cúpula devido à guerra comercial entre os dois países. 

Mohammed Bin Salman – O príncipe herdeiro da Arábia Saudita tornou-se foco de uma polêmica de repercussão mundial, devido ao assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no Consulado Saudita em Istambul. A Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) concluiu, segundo a imprensa americana, que Bin Salman ordenou o crime. 

Recep Tayyip Erdogan – Presidente da Turquia desde agosto de 2014, Erdogan ainda não confirmou uma possível reunião com Bin Salman. O encontro focaria na repercussão do caso de Khashoggi. Erdogan critica a falta de colaboração das autoridades sauditas no esclarecimento do assassinato. 

Angela Merkel – A chanceler da Alemanha, assim como Erdogan, participou de todas as reuniões do G20 desde a primeira, realizada em 2008, em Washington. No poder desde novembro de 2005, já anunciou a decisão de não se candidatar às próximas eleições. 

Emmanuel Macron – Em sua primeira viagem à América Latina desde maio de 2017, quando tomou posse, o presidente da França chega a Buenos Aires com baixa popularidade, segundo as pesquisas, e após realizar uma série de discursos nos quais priorizou a importância do livre-comércio, do combate à mudança climática e do multilateralismo. 

Justin Trudeau – Primeiro-ministro canadense desde novembro de 2015, Trudeau formalizará na Argentina, se as previsões não falharem, o novo acordo comercial entre Estados Unidos, México e Canadá junto a Trump e ao presidente mexicano, Enrique Peña Nieto.

Theresa May – A primeira-ministra do Reino Unido buscará apoio internacional ao seu questionado projeto de Brexit, após o acordo estabelecido com a União Europeia, antes que seja votado pela Câmara dos Comuns no dia 11 de dezembro.

Enrique Peña Nieto – O presidente mexicano voltará a seu país ainda durante a cúpula, no sábado, para passar a faixa presidencial a Andrés Manuel López Obrador, mas antes tentará selar o acordo entre Estados Unidos, México e Canadá. Embora não faça parte da agenda, a crise migratória na fronteira do México com os Estados Unidos também deverá ser abordada na cúpula.

Jean-Claude Juncker – O presidente da Comissão Europeia chega a uma cúpula marcada pela possibilidade de avançar nas já dilatadas negociações do acordo de livre-comércio com o Mercosul e com o Brexit.

EBC com EFE