Mãe e filha são encontradas mortas na casa onde moravam, em Campina Grande

Polícia investiga se caso teria sido homicídio seguido de suicídio. Corpos foram encontrados na noite da terça-feira (7), após vizinhos sentirem cheiro forte saindo da casa

Foto: TV Paraíba/Reprodução
Por Ângela Duarte há 4 meses

Fonte: G1

Duas mulheres foram encontradas mortas na noite da terça-feira (7), na casa onde moravam, em Campina Grande. De acordo com o delegado plantonista da Polícia Civil, Gerônimo Barreto, as vítimas eram mãe e filha e a polícia investiga se o caso teria sido homicídio seguido de suicídio.

Segundo o delegado, Maria Silvestre, de 75 anos, e Maria Aparecida, de 51 anos, foram encontradas dentro da casa localizada na rua Deputado Raimundo Asfora, no bairro Pedregal. A Polícia Militar foi acionada ao local após os vizinhos sentirem um cheiro forte saindo da residência.

Conforme Gerônimo, ainda não é possível confirmar o que teria acontecido de fato na casa. “Não foram encontradas marcas nos corpos das vítimas, mas no local foi coletado um material como um líquido esbranquiçado, que estava junto aos corpos. É prematuro apontar com certeza se foi suicídio ou homicídio. Exames periciais foram requisitados e os corpos serão submetidos a outras análises complementares”.

Ainda de acordo com o delegado, moradores contaram que, há cerca de um mês antes, uma das mulheres, que fazia acompanhamento médico por problemas mentais, teria tentado se matar, mas foi impedida pela família. “Acredito que com a complementação da apuração é que será possível o esclarecimento do fato”, afirmou.

Na manhã desta quarta-feira (8), um vizinho das mulheres relatou à TV Paraíba que acredita que uma delas, a filha de 51 anos, teria dado veneno à mãe, de 75 anos, e depois se matado. Segundo ele, a filha já teria tentado se matar e ameaçado a mãe de morte várias vezes.

Os moradores disseram que sentiram a falta das mulheres desde o último sábado (4). Segundo o pedreiro Adeildo, vizinho das mulheres, elas não costumavam sair da casa. Mãe e filha eram reservadas. “Por várias vezes eu vi a filha ameaçando a mãe de morte, inclusive cheguei a ver ela batendo na mãe”, contou à TV Paraíba.

Ainda de acordo com o vizinho, ele já havia levado a mulher de 51 anos várias vezes ao hospital. “Todo dia eu ia no portão da casa pra tentar falar com elas. A filha vivia dizendo que um dia matava a mãe e depois se matava”, relatou.

Os corpos das mulheres foram encaminhados ao Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande. Até as 12h desta quarta, as informações eram de que eles permaneciam no Numol porque nenhum parente das vítimas tinha ido ao local. Os resultados da perícia devem sair em até 10 dias.