Polícia investiga mais vítimas de estupro em banheiro de escola na PB; ex-funcionário é suspeito

Casos teriam acontecido em 2018, em João Pessoa; o zelador da época teria participado ativamente dos abusos, segundo delegada

Foto: Tv Cabo Branco / Reprodução
Por Ângela Duarte há 6 meses

A polícia já concluiu o inquérito sobre o estupro de duas crianças, dentro do banheiro de uma escola particular de João Pessoa, e investiga a violência sexual contra outras duas possíveis vítimas. O caso ganhou repercussão nesta segunda-feira (12), quando três adolescentes foram apreendidos suspeitos do ato infracional. Todas as vítimas são meninos de até 10 anos de idade.

Segundo a delegada Joana D'arc Sampaio, também foi confirmada a participação de um ex-funcionário da escola nos crimes. “Ele participava ativamente de alguns abusos e em outros ele dava cobertura apenas olhando o ato”, disse a delegada.

A investigação começou em maio de 2018, com a denúncia da primeira vítima. A segunda vítima foi identificada em dezembro de 2018 e confessou, em depoimento, que também participou dos abusos contra a primeira criança, conforme explicou a delegada.

Ainda de acordo com a delegada, o ex-funcionário - afastado em 2018 após as denúncias - e os adolescentes suspeitos de praticar a violência foram ouvidos ainda em maio de 2018. A delegada afirmou que uma das vítimas relatou que o zelador destravava as portas dos banheiros para praticar os abusos. O suspeito responde em liberdade, sob medidas cautelares da justiça.

Os abusos vieram à tona após a mãe de uma das vítimas receber um aviso da escola que comunicava que o filho dela estava indo com muita frequência ao banheiro. Além disso, a criança também passou a ter um “comportamento agressivo e também choroso”. “Em conversa com a mãe, a vítima contou sobre os abusos e a investigação foi iniciada”, disse a delegada.

Segundo o delegado da Infância e Juventude, Gustavo Carlleto, que está à frente do caso, dois inquéritos já foram concluídos, mas outros podem ser abertos caso apareçam novas vítimas.

Em nota publicada em uma rede social, o Colégio GEO afirmou que "a partir do momento que tomou conhecimento da notícia, o Colégio GEO tem buscado junto ao poder público a apuração dos fatos. Em respeito à privacidade dos menores envolvidos, o procedimento tramita em segredo de justiça e no âmbito do Poder Judiciário. O colégio está empenhado no esclarecimento integral da verdade".

Três adolescentes foram apreendidos na segunda-feira (11), suspeitos de praticar os abusos. Até o início da tarde desta terça-feira (12), o quarto adolescente alvo do mandado judicial não tinha sido localizado.

“Já tem uma audiência marcada para uma data próxima, e diante dessa audiência possa ser que venha uma nova decisão do juiz sobre esse fato”, afirmou o delegado Carlleto.

Fonte: G1