Brasil desconvidou Cuba e Venezuela para posse presidencial

Os desconvites foram enviados às embaixadas dos dois países na semana passada

Por Iracema Almeida há 9 meses

Por solicitação da equipe de Jair Bolsonaro, o Itamaraty enviou novos comunicados aos governos de Cuba e Venezuela os desconvidando de participar da cerimônia de posse do presidente eleito no dia 1.º de janeiro, em Brasília. Os termos são protocolares. 

A sinalização inicial foi chamar todos os países com os quais o Brasil mantém relações diplomáticas – razão pela qual o convite foi feito. Mas houve mudança de posição, o que levou o Itamaraty a enviar uma segunda comunicação aos governos dos dois países os desconvidando para a cerimônia.

O futuro chanceler Ernesto Araújo negou pelo Twitter, ontem, que o Itamaraty tenha convidado o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Os desconvites, porém, foram enviados às embaixadas dos dois países na semana passada.

Nos dois casos, os textos enxutos pediam que desconsiderassem a nota anterior. Sem explicações do recuo.

Já o convite foi publicado ontem no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, sete horas depois de o futuro chanceler negar que tenha sido feito.

O comunicado dizia que a embaixada brasileira “tem a honra” de transmitir o convite para Maduro acompanhar a posse.

Por solicitação da equipe de Jair Bolsonaro, o Itamaraty enviou novos comunicados aos governos de Cuba e Venezuela os desconvidando de participar da cerimônia de posse do presidente eleito no dia 1.º de janeiro, em Brasília. Os termos são protocolares. A sinalização inicial foi chamar todos os países com os quais o Brasil mantém relações diplomáticas – razão pela qual o convite foi feito. Mas houve mudança de posição, o que levou o Itamaraty a enviar uma segunda comunicação aos governos dos dois países os desconvidando para a cerimônia.

O futuro chanceler Ernesto Araújo negou pelo Twitter, ontem, que o Itamaraty tenha convidado o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Os desconvites, porém, foram enviados às embaixadas dos dois países na semana passada.

Nos dois casos, os textos enxutos pediam que desconsiderassem a nota anterior. Sem explicações do recuo.

Já o convite foi publicado ontem no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, sete horas depois de o futuro chanceler negar que tenha sido feito.

O comunicado dizia que a embaixada brasileira “tem a honra” de transmitir o convite para Maduro acompanhar a posse.

Estadão