Maternidade de Patos pode suspender atendimento

Funcionários não recebem o salário há três meses

Foto: reprodução
Por Ângela Duarte há 8 meses

Médicos, fornecedores e profissionais de saúde da Maternidade Peregrino Filho, na cidade de Patos, Sertão paraibano, poderão suspender a prestação de seus serviços a partir da próxima semana. Eles estão sem receber seus salários há três meses. Nesta quinta-feira (28), a diretoria do Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) irá ao hospital conversar com os médicos para tentar intermediar uma solução entre os profissionais e a Secretaria de Saúde do Estado (SES).

“Estamos em uma situação crítica e de emergência. Para evitar o colapso no atendimento da maternidade, vamos solicitar providências urgentes do Estado. Entendemos que uma intervenção na Organização Social (OS) que faz a administração do hospital seja necessária. As OS do Estado estão sob suspeita. É preciso discutir este modelo de gestão”, destacou o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais.

A maternidade Peregrino Filho realiza em torno de 400 partos por mês e atende a população de cerca de 70 municípios.